5 técnicas infalíveis para tornar seus painéis analíticos mais efetivos

Saiba como aplicar os cinco aprendizados mais importantes obtidos no estudo de rastreamento ocular feito pela equipe de pesquisa da Tableau com usuários corporativos

Tão importante quanto construir painéis incríveis é garantir que quem recebe as informações consegue ir direto ao ponto e extrair o máximo de valor dos dados. Foi pensando nisso que a equipe de pesquisa & desenvolvimento do Tableau realizou um experimento de rastreamento ocular com quem realmente entende de análise de dados: nossos clientes.

O estudo foi realizado durante a Tableau Conference 2016 e teve como objetivo entender se é possível prever para onde as pessoas olham quando expostas a um painel que nunca viram antes. Pensando no dia a dia de quem trabalha com análise de dados, o objetivo do estudo era entender como projetar painéis analiticamente efetivos e ao mesmo tempo visualmente atrativos.

Para realizar o estudo, a equipe do Tableau construiu uma estação de rastreamento ocular na qual os participantes, pessoas das mais diversas empresas, áreas e funções foram expostos a painéis que nunca haviam visto antes sem uma tarefa pré-determinada e tiveram seus movimentos oculares rastreados em tempo real.

E o que este estudo agrega para você?

Ainda que a tarefa de olhar um painel desconhecido sem um objetivo específico pareça um tanto irreal para o seu dia-a-dia, achamos que os resultados que apresentaremos a seguir podem ser particularmente úteis nos seguintes casos:

Você tem 10 segundos para convencer alguém importante

Você está criando painel que será apresentado para alguém que você não conhece, um alto executivo da empresa ou um cliente importante, por exemplo. Para convencê-lo (e impressioná-lo) você precisa comunicar de forma rápida, precisa e eficiente. Achamos que alguns dos aprendizados deste estudo te ajudarão a transmitir a mensagem desejada em pouco tempo. Útil, não?

Um velho conhecido

Sabe aquele painel importante, que recebe atenção de tempos em tempos, mas que não faz parte do seu dia a dia (um painel de fechamento trimestral, por exemplo)? A falta de hábito torna este velho conhecido, algo relativamente novo e que faz com que o analista tenha que olhar, se reorientar, e a partir daí extrair a informação necessária.

Neste caso, os padrões de visualização identificados no estudo podem te ajudar a construir um painel que ajude o analista a se habituar mais rápido. Quanto menos tempo você (ou quem olha o painel) perder se familiarizando com a informação, mais você poderá investir em extrair os dados necessários e tomar decisões.

Os resultados: 5 aprendizados que tornarão seus painéis mais efetivos.

Tamanho é documento: a relevância de números GRANDES:

Um dos padrões mais impressionantes identificados durante o estudo foi a atenção visual dedicada a números grandes, isto é, uma fonte que se sobressai significativamente do seu entorno. Painéis com números grandes obtiveram concentração visual direta no número grande.

Durante o estudo percebemos que números destacados com fontes grandes frequentemente estão entre os primeiros elementos visualizados pelo observador. Em resumo: Se você tem um número importante, deixe ele bem grandão!

Sequência & Repetição: Um design inteligente para evitar fadiga

Durante a etapa de design de painéis é comum que o autor crie visualizações repetidas para diferentes variáveis ​​(gráficos de barras para diferentes KPIs, por exemplo, permitem que eles sejam facilmente comparados). Neste estudo esses elementos foram analisados e notou-se que durante o início da observação, a atenção voltada a elementos que se repetem ao longo do painel foi forte, mas ao decorrer da sequência, a atenção voltada a esses elementos foi se perdendo.

No decorrer do estudo, foi percebido que quando houve alta repetição de qualquer elemento (gráficos repetidos, números repetidos), a atenção do observador foi diminuindo com ao longo da seqüência da esquerda para a direita e de cima para baixo. Ou seja, os itens dispostos numa posição mais alta ou mais a esquerda receberam mais atenção que os demais.

Este resultado mostra o quanto a sequência de apresentação, e a ordem de disposição das tabelas é importante para o resultado final. Use este dado a seu favor, e privilegie a posição (mais alto e a esquerda) dos dados mais importantes.

Pessoas atraem pessoas

Figuras humanas ou até mesmo um desenho de pessoa, se destacam dos demais elementos de um painel. Durante o experimento haviam painéis com desenhos de humanos e outros com fotografias de pessoas. Os resultados foram consistentes e em ambos os casos a atenção visual atribuída ao painel ficou centrada nessas formas.

Pensando que o cérebro humano procura e gosta de observar formas humanas, vale usar este recurso sempre que fizer sentido para o seu painel, e com bastante cuidado para que o elemento humano receba a atenção desejada sem comprometer a visualização dos outros dados do painel, ou distrair o observador da mensagem central. O uso inadequado de elementos humanos pode, em casos extremos, até reduzir a reputação do painel.

Use o contraste a seu favor:

Áreas com alto contraste visual agiram como guias visuais ao longo dos painéis. Num primeiro instante os olhos do observador tendem a pular de uma área de contraste para a outra. Portanto, o contraste pode ser usado para guiar o observador pelo painel como se fosse um jogo de ligar os pontos.

Ao mesmo tempo que o contraste pode (e deve) ser usado para guiar o observador e construir uma mensagem, quando mal utilizado, este recurso gera dashboards bagunçados, difíceis de navegar e visualmente pesados. Assim, projete os painéis com calma, e use o contraste para comunicar a mensagem sem dispersar a atenção do observador.

Forma como parte da função

Os seres humanos são seres curiosos, e que ao olhar algo pela primeira vez, buscam extrair informações. Ao olhar para um painel inédito, o observador vai direto às áreas com informação e deixa de lado as áreas sem informação. Assim, o formato de um painel serve como guia para direcionar o observador pois seus olhos acompanham este formato. E aqui vem a parte mais interessante deste aprendizado, usando o formato dos painéis como suporte para transmitir as informações você não precisará se conformar com padrões como “colocar qualquer coisa importante no canto superior esquerdo” e terá liberdade para brincar com as formas e construir a função.

Outros elementos

Outros elementos de design (logos, ícones, títulos e etc) inseridos no painel não receberam atenção esperada. Imagina-se que isso tem a ver com a combinação de contexto e de prioridade visual. O contexto, no caso deste estudo, é alguém que olha para um painel de negócios, e que de certa forma está habituado a procurar números. Assim, não é surpreendente que números destacados com fontes grandes tenham despertado tanta atenção visual. E quando pensamos em prioridade visual, o cérebro humano é construído para procurar contrastes, algo grande e/ou contrastante chama mais atenção do que outros elementos visuais.

Este estudo de rastreamento ocular abriu portas para um universo de questões relevantes e de possibilidades para quem projeta painéis. Técnicas como destacar o tamanho da fonte em números importantes, criar um jogo de contrastes bem planejado para guiar o observador pelo painel, usar figuras humanas quando for relevante, usar a repetição a seu favor para priorizar informações chave, e usar o formato dos painéis como suporte para transmitir sua mensagem te ajudarão a criar painéis mais efetivos.

E não é só isso não!

Como toda boa pesquisa, este estudo respondeu uma série de questões e trouxe novas perguntas. Assim, a equipe do Tableau já está planejando uma nova bateria de estudos para investigar alguns dos aprendizados mais interessantes:

Números grandes: Qual a relação entre à posição do número grande e a atenção que ele recebe? Será que se deslocarmos o número grande para o canto inferior do painel ele receberá a mesma atenção? E se deslocarmos esse número da esquerda para a direita, será que ele continuará chamando tanta atenção? O primeiro estudo sugere que um número grande recebe atenção onde quer que ele esteja, o que o se quer saber agora é se existem variações de percepção em relação a posição.

Validação: O primeiro estudo contou com 10 painéis diferentes. Será que com 50 ou 100 painéis diferentes e com estilos bem variados veremos as mesmas tendências? Um estudo de validação ajudará a entender a força e o alcance das conclusões e suas derivações.

Compreensão: Será que as pessoas retém as informações de um painel? Uma coisa é acompanhar como os olhos navegam e guiam a visualização de um painel, outra é entender o quanto de informações o cérebro é capaz de reter. Será que números grandes transmitem informações melhor do que números menores? Espera-se que esse seja o caso, mas não se pode afirmar que a atenção visual que esses elementos recebem se correlaciona com a compreensão e a percepção.

A equipe do Tableau está animada com os aprendizados e espera que os insights deste estudo sejam úteis no seu dia a dia.

E se você ficou curioso para saber mais sobre os painéis usados neste estudo (e outros), dê uma olhadinha no livro The Big Book of Dashboards (em inglês), uma co-autoria entre Andy Cotgreave, do Tableau, e outros experts no assunto.

 

Fonte

Tiago S. Barbosa Ferreira

Tiago S. Barbosa Ferreira

Partiner em SorocabaTI
Atuando na Areá de infraestrutura e Suporte desde 2005.

Atualmente trabalho com Analise e Suporte, Infraestrutura de redes, Administração de Servidores e analise e levantamentos de requisitos para projetos de implantação e migração de ambientes!
Tiago S. Barbosa Ferreira

Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.


*